Sessão silencia por vítimas de chacina e outros falecidos em Toledo

por Paulo Torres publicado 02/08/2022 15h55, última modificação 09/08/2022 09h34
A Câmara de Toledo homenageou com minuto de silêncio na retomada das sessões legislativas as vítimas da chacina praticada por um policial militar contra sua família e populares na noite de 14 de julho. A homenagem incluiu ainda Adir Itacir Zanella, Orácia Dena Marques, Eugênio Scherpinski e a catequista Matana, do bairro Coopagro. Na tragédia ocorrida em Toledo e Céu Azul na noite do dia 14 foram mortos Kassiele Moreira Mendes Garcia, 28 anos, e a sua filha Amanda Mendes Garcia, 12 anos; Irene Garcia, 78 anos; Claudiomiro Garcia, 50 anos; Kaio Felipe Siqueira da Silva, 17 anos, e Luiz Carlos Becker, 19 anos, mortos na rua. Em Céu Azul a chacina atingiu o menino Miguel Augusto da Silva Garcia, quatro anos, e a menina Kamili Rafaela da Silva Garcia, 9 anos, encerrando com a morte do autor da tragédia, Fabiano Júnior Garcia, 37 anos, na Rua Rui Barbosa.
Sessão silencia por vítimas de chacina e outros falecidos em Toledo

Vereadores e vereadoras e público da sessão silenciaram em homenagem a vítimas de chacina e demais falecidos

A Câmara de Toledo homenageou com minuto de silêncio na retomada das sessões legislativas as vítimas da chacina praticada por um policial militar contra sua família e populares na noite de 14 de julho. A homenagem incluiu ainda Adir Itacir Zanella, Orácia Dena Marques, Eugênio Scherpinski e a catequista Matana, do bairro Coopagro.

Ao abrir o espaço de homenagens o presidente Leoclides Bisognin lembrou Adir Itacir Zanella, falecido aos 59 anos, na sexta-feira, dia 15, após permanecer um mês na UTI tratando de problemas respiratórios. O vereador lembrou que ele era guarda municipal desde 1996 e aposentou-se em 9 de fevereiro, manifestando condolências à família. Bisognin registrou ainda o falecimento de Orácia Dena Marques, avó paterna do vereador Marcelo Marques, falecida no dia 26 de julho, aos 84 anos.

O vereador Professor Oséias lembrou a tragédia ocorrida na cidade envolvendo um policial militar e manifestou seu sentimento aos familiares e à comunidade escolar da Escola Municipal Shirley Lorandi, onde a pequena Tamires, morta no episódio, estudava e era colega de sua filha.

O vereador Pedro Varela registrou o falecimento de Eugênio Scherpinski, morador do Grande Europa, apontando que era um grande homem e trabalhador e faleceu na segunda-feira, estendendo condolências à família.

O vereador Genivaldo Jesus manifestou pesar à família Matana pelo passamento da catequista aposentada da Paróquia São Francico de Assis, do Jardim Coopagro.

Já o vereador Jozimar Polasso registrou o falecimento de Alice Maria da Conceição Ferreira, pioneira de Toledo moradora do bairro Boa Esperança, manifestando condolências à família Ferreira.

Tragédia em Toledo

A tragédia da noite de 14 de julho em Toledo vitimou nove pessoas. Foram mortas Kassiele Moreira Mendes Garcia, 28 anos, e a sua filha e enteada do policial, Amanda Mendes Garcia, 12 anos, na residência do casal, na Rua Rui Barbosa; além da mãe, Irene Garcia, 78 anos, morta na Rua Boa Esperança, no bairro Boa Esperança, além de seu filho e irmão do policial, Claudiomiro Garcia, de 50 anos, além de outras duas pessoas, de 17 e 19 anos, Kaio Felipe Siqueira da Silva e Luiz Carlos Becker, mortos a tiros na rua. O policial ainda se deslocou até Céu Azul, onde seus dois filhos com a esposa - o menino Miguel Augusto da Silva Garcia, quatro anos, e a menina Kamili Rafaela da Silva Garcia, 9 anos, estavam com os tios, matando as crianças a tiros. Em seguida Fabiano Garcia retornou a Toledo com seu carro e a arma institucional e parou na rua onde morava, pouco à frente da casa já tomada de policiais, atirando contra si mesmo. Fabiano Júnior Garcia, 37 anos, trabalhava na PM havia 12 anos, atuando como motorista do CPU-Coordenador de Policiamento da Unidade, tendo supostamente indicado que tinha dívidas de jogo que não queria que ficassem para seus familiares. Em nota, a corporação garante que o policial “não tinha histórico que pudesse indicar problemas psicológicos”.

O 19° Batalhão da PM emitiu nota onde afirma sua consternação, lamenta a tragédia e que a PM conta na região com o programa PRUMOS, que disponibiliza atendimento psicológico e social aos militares e dependentes.

A íntegra da nota da PM

"A Polícia Militar está consternada e lamenta profundamente o ocorrido nas cidades de Toledo-PR e Céu Azul-PR. O policial militar que prestava serviços no 19º Batalhão em Toledo não tinha histórico que pudesse indicar problemas psicológicos e atuava como motorista do Coordenador do Policiamento da Unidade. Desde dezembro de 2020, a região conta com o apoio do programa PRUMOS, que disponibiliza atendimento psicológico e social aos militares e dependentes, com profissionais contratados para atuar nas Organizações Policiais Militares", diz a nota.